Indústria Verde

Para enfrentar o desafio climático, a JBS foi a primeira empresa global do setor de proteína a estabelecer uma meta Net Zero

Em anúncio pioneiro em seu ramo de atuação, a JBS firmou compromisso de se tornar Net Zero até 2040

Implacável, a crise climática global está provocando grandes transformações também na indústria brasileira e não faltam exemplos de esforços para mitigá-la. A JBS, segunda maior empresa de alimentos do mundo e a primeira no setor de proteína, reúne esforços para fazer avançar iniciativas sustentáveis.

A empresa vai zerar o balanço líquido de suas amissões de gases causadores do efeito estufa, reduzindo emissões diretas e indiretas e compensando toda a emissão residual até 2040.

São ações alinhadas a uma grande e inclusiva estratégia da Confederação Nacional da Indústria (CNI) rumo a uma economia brasileira de baixo carbono. A estratégia de baixo carbono da CNI se baseia em quatro pilares: transição energética, mercado de carbono, economia circular e conservação florestal

Um exemplo é o Compromisso Net Zero 2040, anunciado pela JBS em março de 2021, e que está alinhado ao pilar transição energética. Pelo compromisso, a empresa vai zerar o balanço líquido de suas emissões de gases causadores do efeito estufa, reduzindo suas emissões diretas e indiretas (escopos 1, 2 e 3) e compensando toda a emissão residual até 2040.

A JBS também aderiu ao Race to Zero, das Nações Unidas, e está desenvolvendo um plano de metas baseadas na ciência para se tornar Net Zero. Além disso, vai reportar suas informações sobre mudanças climáticas em linha com a Task Force on Climate-related Financial Disclosure (TCFD). O esforço da JBS se alinha, também, com o objetivo do Acordo de Paris de limitar o aumento da temperatura global a 2°C, com esforços para contê-lo em 1,5°C, quando comparado aos níveis pré-industriais.

“A mudança climática é, sem dúvida, o maior desafio da nossa geração. Se nada for feito, estaremos comprometendo as próximas gerações”, destaca Gilberto Tomazoni, CEO Global da JBS. “Como líderes do setor industrial brasileiro e por termos importante escala global, nós, da JBS, temos a oportunidade de nos tornarmos importantes agentes de transformação para uma economia de baixo carbono, com um sistema mais efetivo e sustentável”, completa o executivo.

Ações – Para alcançar a sua ambição, a empresa está desenvolvendo metas de redução de emissões de gases de efeito estufa em suas operações globais e cadeias de valor na América do Sul, América do Norte, Europa, Reino Unido, Austrália e Nova Zelândia. Como próximo passo, a JBS apresentará um plano com base científica para chegar ao Net Zero, consistente com os critérios estabelecidos pela Science-Based Targets initiative (SBTi). A empresa fornecerá, ainda, atualizações anuais sobre seu progresso para garantir a transparência dos seus processos.

A empesa já admitiu que não tem todas as respostas frente ao desafio, mas que confia na ciência para o desenvolvimento de soluções. Desde o início, porém, estabeleceu uma concreta lista de ações para alcançar o Net Zero até 2040:

·      30% de redução em emissões de escopos 1 e 2 até 2030, em comparação a 2019.

·      Investimento de US$ 1 bilhão nos próximos 10 anos em projetos de redução de emissões que serão avaliados por um comitê formado por executivos da JBS, acadêmicos e especialistas.

·      Investimento de US$ 100 milhões até 2030 em Pesquisa e Desenvolvimento, para implementar soluções de mitigação das emissões, como melhoria nas práticas agrícolas regenerativas, intensificação de sequestro de carbono no solo e em tecnologias voltadas para as fazendas dos fornecedores.

·      Conversão para fontes renováveis de 100% da eletricidade que consome em toda sua operação até 2040.

·      Atrelar a remuneração variável de altos executivos às metas climáticas.

·      Meta de cadeia de fornecedores bovinos livre de desmatamento ilegal na Amazônia e nos demais biomas brasileiros até 2025, incluindo fornecedores de fornecedores.

Com o compromisso Net Zero 2040, a JBS reforça sua responsabilidade com a agenda ESG (Ambiental, Social e Governança), uma caminhada iniciada há mais de uma década, com investimentos significativos em ações concretas por toda a sua cadeia de valor.

“O desafio da JBS é uma longa maratona global, cuja largada já foi dada e o relógio está correndo rápido contra todos nós. Embora o percurso até 2040 ainda não esteja completamente traçado, o mais importante é compreendermos que só haverá vencedores se corrermos todos na mesma direção”, finaliza Gilberto Tomazoni.

Mais sobre a JBS – Com uma plataforma diversificada por tipos de produtos (aves, suínos, bovinos, peixes e ovinos, além de plant-based), a empresa conta com unidades de produção e escritórios em todos os continentes, em países como Brasil, Estados Unidos (EUA), Canadá, Reino Unido, Austrália, China, entre outros. No mundo todo, a JBS oferece um amplo portfólio de marcas reconhecidas pela excelência e inovação: Seara, Swift, Pilgrim’s Pride, Moy Park, Primo, Just Bare, entre muitas outras, que chegam todos os dias às mesas de consumidores em 190 países.

A JBS conduz suas operações priorizando a alta qualidade e a segurança dos alimentos e adota as melhores práticas de sustentabilidade e bem-estar animal em toda sua cadeia de valor, com o propósito de alimentar pessoas ao redor do mundo de maneira cada vez mais sustentável.