Indústria Verde

Gigante do ramo de aço tem a maior planta de dessalinização de água do mar do país

ArcelorMittal investiu R$50 milhões em planta com capacidade inicial para gerar 500 m³/hora de água dessalinizada

A oferta de água é um dos maiores desafios para os governos e para a sociedade. Dados da Agência Nacional das Águas (ANA) mostram que a demanda por uso deste recurso no Brasil deve aumentar em 24% até 2030, superando a marca de 2,5 milhões de litros por segundo. Para evitar crises hídricas num futuro próximo, é necessário buscar soluções para o uso sustentável deste líquido fundamental para a sobrevida humana. Uma das opções é a dessalinização da água do mar.

A ArcelorMittal, siderúrgica produtora de aço, aços longos e planos, e bobinas – uma das maiores do mundo neste ramo –, se destaca com iniciativas envolvendo o uso da água. A unidade de Tubarão, localizada na Região Metropolitana da Grande Vitória (ES)inaugurou a maior planta de dessalinização de água do mar do país. Com capacidade inicial para gerar 500 m³/hora de água dessalinizada, proporciona maior segurança hídrica para a empresa e para o Estado.

O sistema é resultado de investimentos de R$ 50 milhões. “O trabalho incluiu avaliação de várias alternativas tecnológicas para dessalinização, análises de qualidade da água do mar, discussões técnicas com fornecedores de todo o mundo, testes em laboratório e até visitas técnicas em plantas na Argentina e nos Estados Unidos”, aponta Jorge Oliveira, CEO da ArcelorMittal Aços Planos América do Sul.

As iniciativas da empresa, nesse sentido, estão alinhadas à estratégia da Confederação Nacional da Indústria (CNI) rumo a uma economia brasileira de baixo carbono, baseada em quatro pilares: transição energética, mercado de carbono, economia circular e conservação florestal.

Recirculação – Aproximadamente 96% da água utilizada pela ArcelorMittal Tubarão vem do mar e é utilizada para a refrigeração dos equipamentos de produção de aço. Os outros 4% são provenientes do Rio Santa Maria da Vitória. Para mitigar o uso destes 4%, a empresa executa projetos para reduzir esse consumo. Atualmente, o índice de recirculação de água doce da unidade é de mais de 97%.

Para a captação de água do mar, é utilizada a tecnologia de osmose reversa, bastante comum em países como Israel, Espanha, Estados Unidos e outros. Um dos diferenciais do projeto está na sua configuração por módulos. O primeiro tem capacidade para dessalinizar 500 m³/hora de água do mar (suficiente para abastecer cerca de 80 mil pessoas/dia), com possibilidade de serem acrescentados módulos futuramente.

Com a tecnologia, a empresa recupera 50% da energia utilizada para fazer bombeamento de alta pressão nas membranas de osmose reversa. A planta consome cerca de 3MW de energia elétrica e representa menos de 1% do total de energia gerada pela própria ArcelorMittal Tubarão, que é autossuficiente.

O processo também não gera impactos ambientais significativos. A solução de sal em água resultante da dessalinização, a salmoura, é devolvida ao mar por um canal de retorno já existente na usina.

Reúso – Além do processo de dessalinização, a unidade desenvolve outras ações de gestão hídrica. Recentemente, a empresa assinou o Termo de Compromisso para utilização de água de reúso da Estação de Tratamento de Efluente da Companhia Espírito Santense de Saneamento (Cesan).

O acordo prevê a compra mensal para fins industriais de 540 m3/h (150 l/s) de água de reúso de esgoto sanitário, proveniente de efluentes da Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) e Reúso da Cesan. A aquisição será feita por contrato de 25 anos, podendo ser renovado, e reduzirá a demanda da usina por água do Rio Santa Maria da Vitória, disponibilizando maior volume do recurso para a sociedade.

A empresa também tem atuado no projeto de recuperação de nascentes da Bacia do Rio Santa Maria da Vitória, junto a vários parceiros. Todas essas ações fazem parte do Plano Diretor de Águas da empresa, que contempla iniciativas voltadas ao fortalecimento da segurança hídrica.