Indústria Verde

Biorrefinaria uisa usa blockchain para rastrear seus bioprodutos

Empresa incorporou, de forma pioneira, nova tecnologia aos seus processos de produção e controle, começando pelo Açúcar Demerara Itamarati

A rastreabilidade segura, eficaz e transparente da produção é cada vez mais importante para a indústria. Nesse cenário, a tecnologia blockchain desponta como ferramenta eficaz para rastrear o movimento em tempo real de bens e serviços.

Em maio deste ano, a biorrefinaria uisa, localizada no Mato Grosso, incorporou, de forma pioneira, essa tecnologia aos seus processos de produção e controle de seus bioprodutos, começando inicialmente pelo Açúcar Demerara Itamarati, uma das marcas do portfólio de alimentos da companhia.

Blockchain é uma tecnologia que ficou conhecida inicialmente por sua aplicação no mercado financeiro. Mais recentemente, passou a ser usada também na indústria e na agricultura, por ser um sistema que permite rastrear o envio e recebimento de informações de forma transparente e segura. Os dados são armazenados em uma única base de dados, gerando informações em tempo real. São pedaços de código gerados on-line que carregam informações conectadas – como blocos de dados que formam uma corrente. Suas características de rastreabilidade e inviolabilidade dos dados tem viabilizado, cada vez mais, a implementação de iniciativas ESG nas empresas.

A tecnologia tem como principal função, portanto, proporcionar transparência, eficiência e segurança à cadeia produtiva da empresa e de seus parceiros.

Aplicação – No caso do Açúcar Demerara Itamarati, o consumidor poderá, por meio de um QRCode presente na embalagem, acessar informações completas sobre plantio e colheita da cana e demais etapas da produção do açúcar. Além disso, a nova tecnologia também contribuirá para os processos de certificações ESG da uisa e para os processos de descarbonização.

Ou seja, será possível ter o controle da qualidade do produto e verificar as certificações que atestam o processo de cultivo. Essas informações poderão ser acessadas em qualquer lugar do mundo, pois estão disponibilizadas na internet.

“A principal vantagem é a transparência. O consumidor pode ver como é conduzido todo esse processo de produção, onde foi plantado, os insumos utilizados etc. É uma questão de ESG e respeito a todos os clientes, além de uma porta de entrada para, no futuro, os créditos de carbono”, afirmou Rodrigo Gonçalo diretor de tecnologia e inovação da uisa.

A partir de outubro, a tecnologia também será usada para rastrear o açúcar cristal e refinado, achocolatado e álcool gel produzidos pela empresa. A ideia é implantar a tecnologia em todas as linhas de produção da companhia.