Indústria Verde

Amigos do meio ambiente

Iniciativa de empresa global busca mitigar impactos da pecuária, enquanto Senai CETIQT aproveita pelos proveniente da tosa de cães

Ao redor do mundo, grandes empresas se esforçam para diminuir o impacto ambiental negativo de sua produção pecuária – comprometendo-se, em alguns casos, com metas de carbono neutro para as próximas décadas.

Nesse contexto, a DSM, empresa global de origem holandesa voltada para saúde, nutrição e biociência, desenvolveu o Bovaer, um suplemento nutricional animal que promete diminuir as emissões de gases de efeito-estufa (GEE) do gado bovino – notadamente o metano (CH4). O intuito é contribuir para reduzir a pegada ambiental da carne, do leite e dos produtos lácteos.

Durante a COP26, em Glasgow, na Escócia, foi tomada inclusive uma iniciativa inédita: mais de 100 países se comprometeram a reduzir os níveis de emissão de metano em 30% até 2030 como parte dos esforços para mitigar o aquecimento global. O foco sempre foi o CO2 e agora o metano também entrou no radar.

As ações da DSM estão alinhadas à estratégia da Confederação Nacional da Indústria (CNI) rumo a uma economia de baixo carbono, baseada em quatro pilares: transição energética, mercado de carbono, economia circular e conservação florestal.

Em setembro, a DSM, que mantém fábricas em Pecém (CE), Marabá (PA), Ibiporã (PR), Mairinque e São Paulo (SP), recebeu autorização para comercializar o Bovaer no Brasil e no Chile. Assim, os dois países se tornaram pioneiros na aplicação do suplemento.

Segundo a DSM, o Bovaer é uma solução cientificamente comprovada para o desafio do metano do arroto nos bovinos: um quarto de colher de chá da solução por vaca, por dia, reduz a emissão de metano entérico em cerca de 30% para vacas leiteiras, e em porcentagens ainda mais altas, até 90%, para o gado de corte.

Funciona assim: após a alimentação, a solução entra em ação imediatamente, suprimindo a produção de metano no estômago. Em seguida, é decomposta, sem comprometer o bem-estar do animal.

Clean Cow – Conhecido como projeto Clean Cow (Vaca Limpa), o esforço colaborativo de cientistas e parceiros em torno da criação do Bovaer levou mais de dez anos e incluiu 45 testes em fazendas em quatro continentes. Mais de 48 estudos sobre o suplemento foram publicados em revistas científicas independentes.

Um teste com o Bovaer, conduzido na Universidade Estadual de São Paulo (Unesp), entre 2016 e 2017, por exemplo, revelou reduções na emissão de metano entérico em até 55%. Em regiões não tropicais, a redução pode chegar a 35%, de acordo com o estudo.

“O teste de carne bovina com o Bovaer na Unesp destaca o potencial do suplemento para uma pecuária radicalmente mais sustentável na América Latina”, diz o presidente da DSM Latin America, Mauricio Adade. “Estamos ansiosos para colaborar com os setores agrícolas do Brasil para reduzir ainda mais sua pegada de carbono”, resume.

O diretor de Programa da DSM, Mark van Nieuwland, concorda. “O último relatório do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas afirmou que uma rápida redução das emissões de metano poderia reduzir a propagação do aquecimento global no curto prazo e ter um efeito positivo na qualidade do ar. Sabemos que os setores agropecuários reconhecem essa oportunidade de mudança e estão ansiosos para agir”.

Cães – Em 2017, o Centro de Tecnologia da Indústria Química e Têxtil (Senai CETIQT) do Rio de Janeiro se tornou parceiro de um projeto que também envolve animais e a sustentabilidade na indústria.

Iniciativa da veterinária e designer de moda Dóris Carvalho, de Goiânia (GO), a ideia do projeto Fur You é minimizar o lixo de pet shops e clínicas veterinárias e dar um destino sustentável aos seus resíduos – em geral encaminhados a aterros sanitários –, usando os pelos de cães provenientes da tosa como matéria-prima para a produção de um fio têxtil.

A designer estima que uma cidade como Goiânia, de 1,5 milhões de habitantes,  produz, por mês, cerca de 3.5 toneladas de pelos proveniente da tosa de cães.

O projeto levou a uma nova fibra que poderá se transformar em produtos como bolsas, sapatos e roupas. O êxito na confecção do fio aconteceu após testes realizados em uma máquina que o CETIQT utiliza para projetos têxteis inovadores.

Dóris explica que, no momento, estão ocorrendo negociações em torno da coleta de resíduos, de sua separação e esterilização, e que serão realizadas por uma cooperativa de mulheres que saíram da penitenciária e estão buscando uma nova oportunidade na sociedade.

A empresária observa também que “as pesquisas para encontrar outras fibras naturais continuam, mas o objetivo é produzir as peças utilizando ao máximo os resíduos das tosas”. Segundo ela, a primeira coleção será lançada no início de 2022.